terça-feira, 30 de dezembro de 2008

2008, o ano

Pensei se dividia em tópicos, em posts, em assuntos ou importância, mas acho que tudojunto é mais melhor.
Sim, 2008. Grande ano.
Efetivação para abrir bem o ano. Trabalhar é algo que acarreta muitas coisas: começando pela parte financeira (oba!) e conseqüentemente grandes momentos e muita risada- coisas que eu preso muito. E grande amizades, ah sim. Nesse um ano teve quem pegou, quem largou, quem casou, quem já era casado e quem não liga a respeito do que é.
Aí, a parte financeira te leva a... shows! E pensa o que isso significa para uma pessoa musicholic.
REM e Duran Duran- mas quando dois icones oitentista num ano só?
Muse- que foi gostar e virem.
Madonna- ok, é icone, tá véia, num volta mais! XD
Offspring- histórico, lembrando infância MTV.
Kaiser Cheifs- viciante, iria em 10 shows seguidos.
E shows são grandes pretestos para reunir a familia mafiosa de todo canto do Brasil (e da Irlânda!) no coração de SP City. Ah, como eu amo...
E por falar em amigos incomuns, foi um grande ano também para.. ok, não vou nos chamar de Quarteto Fantástico porque é "horrivel e tosco"(by Milla). Foi um grande ano para Martine, Michele e Abgail, grande amigas que dividem toda e qualquer hora para offs, bafons ou simples indagações cotidianas. Foram elas que me empurraram forte e me fizeram terminar meu primeiro... cof cof... "livro"- ainda entre aspas por não estar editado.
Sem contar um dos dias mais divertidos do ano. Foi a vingança da Câmara Secreta que nós nunca encontramos na Pottercon.
A faculdade? Bem, me mostrou que eu quero muito fazer jornalismo. E, o mais raro: encontrar um grupo de verdade. Foram muitos dias em claro, choros, brejas e trufas de graça (aí vem uma piada interna), e amizades com um lado profissional que nunca achei antes. Se em 2007 eu ia para a faculdade muito mais pelos professores, esse ano valeu pelo grupo. Viva, Makana!
E sobre amores... bem, deixo para 2009. 2008, nas palavras de Agostinho Carrara- my idol- foi muito avulso.

\o viva la vida
e que venha 2009 ;D

Nós aumentar avião


Parece mentira, né? É só clicar que você vai para o magnifico site da Air Europa, que contratou o Google Translator como funcionário.
Sensacionaaaaal!

O complexo bradshaw-bowieano

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

As 100 Melhores Músicas (editado)

É dificil escolher algumas músicas e deixar outras de fora, quando se trata de uma lista com suas favoritas. Mas a prioridade foi as primeiras lembradas, então aí estão.
O critério para escolher é um pouco complexo- vai a batida, a letra, a banda, é todo um conjunto.
Existem músicas que combinam tudo isso- exemplo de Not Enough Time do INXS (ah, essa música também foi escolhida pelo Zeca!). Existem músicas que pecam na letra, ou na banda, ou em outras coisas, tendo outros fatores que compensam.
Ah, claro: a lista não está por ordem. Mas confesso que, até o momento, daria a coroa de ouro para Golden Years do Bowie, que eu praticamente escuto TODO dia.
Enfim, here we go:

1. Live- Turn My Head
2. Sophie Ellis Bextor- Murder on the Dance Floor
3. New Order- Regret
4. INXS- Everything
5. U2- Stay
6. Dishwalla- Charlie Brown's Parents
7. Faith no More- Edge of the World
8. Moby- Porcelain
9. David Bowie- Golden Years
10. The The - Uncertain Smile
11. Elvis Costelo- She
12. Nat King Cole- Unforgetable
13. Frank Valli- Can't Take my Eyes Off You
14. Deee Lite- Groove's in the Heart
15. Depeche Mode- It's no Good
16. Alice in Chains- Heaven Beside You
17. Duran Duran- Come Undone
18. Tears for Fears- Woman in chains
19. Alanis Morissette - You Oughta Know
20. Sheryl Crow- If it Makes you Happy
21. Paralamas & Marisa Monte- O amor não sabe esperar
22. Black Grape- Kelly's Hero
23. Moloko- Fun for Me
24. Portishead- Glory Box
25. Pearl Jam- Betterman
26. Sublime- Wrong Way
27. REM- Radio Song
28. Nirvana- Heart Shaped Box
29. Nando Reis- Por onde andei
30. Radiohead- High and Dry
31. Geroge Michael- Freedom 90
32. Led Zeppelin- Ramble On
33. The Doors- Spanish Caravan
34. Sugar Ray- RPM
35. Nelly Furtado- Say it Right
36. Blind Melon- No Rain
37. Smiths- How Soon is Now
38. The Cure- Why Can't I be you
39. U2- One
40. Muse- Supermassive Black Hole
41. Matchbox 20- Bent
42. Junior Senior- Move your Feet
43. Radiohead- Fake Plastic Tree
44. The Roots- Seed
45. Foo Fighters- Breakdown
46. Pixie- Monkey's Gone to Heaven
47. Titãs- Nem cinco minutos
48. Nirvana- Sleever
49. Ben's Brothers- Stuttering
50. Legião Urbana- Vento no Litoral
51. Oasis- The Importance of Being Idle
52. New Order- Blue Monday
53. David Bowie- Jean Genie
54. INXS- Not Enough Time
55. Offspring- Gone Away
56. Bon Jovi- Always
57. Waterboys- The Whole of the Moon
58. Cardigans- Lovefool
59. Blondie- Maria
60. Whitestripes- Doorbell
61. George Michael- Faith
62. Stokes- Someday
63. Matchbox 20- Push
64. Limp Bizkit - The One
65. The Clash- Stand by Me
66. Ira- Tarde Vazia
67. Pearl Jam- Do the Evolution
68. Amy Whinehouse- Valerie (remix)
69. 10.000 Maniacs- More than This
70. Sixpence None the Richer- Don't dream it's over
71. Goo Goo Dolls- Black Baloon
72. New Radicals- Someday We'll Know
73. Bush- Glycerine
74. Softcel- Torch
75. 3Doors Down- Here without you
76. POD- Youth of the Nation
77. Ugly Kid Joe- Cats and the Cradle
78. Coldplay- The Scientist
79. Roxy Music- If there is Something
80. Zé Ramalho & Zeca Balero- Dezembros
81. Faith no More- Ashes to ashes
82. Snow Patrol- Chasing Car
83. Guns n Roses-November Rain
84. Garbage- Stupid Girl
85. Silverchair- Anthem for the Year 2000
86. Ugly Kid Joe- Cloudy Skies
87. B-52’s- Good Stuff
88. Snow Patrol- Open your Eyes
89. Blur- Song 2
90. Whitestripes- Seven Nation Army
91. INXS- Love is (What I Say)
92. Mika- Grace Kelly
93. The Cure- Letter to Elise
94. Mister Mister- Broken Wings
95. Fall Out Boys- Dance Dance
96. Robbie Williams- Advertising Space
97. Led Zeppelin- Fool in the Rain
98. Pearl Jam- Given to Fly
99. Edwin Colins- A girl like you
100. Keane- Spiralling

EDIT: US 3- Cantaloop e Devo- Time out for Fun foram substituidas por Heaven Beside You, do Alice in Chains e Torch, do Softcel ;D

sábado, 27 de dezembro de 2008

Joaquin & Heath

E aí que eu caí nas graças do garoto dos lábios leporinos e, de cara no Google, eu o encontrei com ninguém menos que o garoto das 10 coisas que eu odeio. Não podia deixar de postar aqui.

EDIT: Lembrando que hoje tem Johnny & June na Globo! \o/

Os bons relatos de um ano que não acabou (parte I)

Enquanto o ano novo (que promete ser bom) não chega, alguns relatos que fazem uma pacata vida mais feliz:

- Um almoço com mais pessoas do que cadeira em casa;
- Guerra por um pedaço de banana dentro do fondue de chocolate ("olha lá a galera da Etiópia!");
- [Realmente] Amigo [/realmente] secreto ;
- Assistir Batman pela 48792º vez.

======================================================
Os complexos Bradshaw também incluem cultura: no quiz da Grow que meu pai ganhou, havia uma pergunta sobre qual influência sofria a língua iídiche. Ironicamente, estavamos falando sobre a mesma umas horas mais cedo, quando descobrimos que a USP oferece curso gratuito da língua. Interessante, não?

=======================================================
Vamos amanhã para o O'Malleys?
Quando é 24 a gente nunca esquece, né? Parabéns, Leonete!

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Merry Christmas

Tem gente que acha que Natal é uma mera data comercial.
Tem quem lembre que é data simbolica do aniversário de Cristo.
Tem quem enfeita árvore; tem quem dorme, adorda e trabalha.
Tem os que tem família, tem os que não tem. Tem os que montam ceia e os que comem pão com manteiga.
Tem quem está. Tem quem já foi. Tem os que voltam e os que não voltam mais.

Vale qualquer categotia. A mensagem é a mesma:
Feliz Natal.


segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Give it to me... yeah



Saimos tranquilamente às 17h (horário de abertura dos portões) para o show de Maddy- A Piranha, diretamente do resort Sakaki. Transito, claro, e um onibus cheio de bee's e derivados, o que incluia uma mulher com uma sacola cheia de pessegos para levar para o irmão, que estava na fila para o show de domingo- pasmem.
É gostoso olhar para uma fila que não te pertence. A entrada, ironicamente, foi pelo portão 2, o mesmo que entramos há quase três anos atrás para o show do U2.
Momento dialogo crazy no espirito jornalista. Fila em movimento interage com fila parada:

Cris: Vocês estão para o show de domingo né?
Fã: Isso.
Cris: Vieram no show de ontem?
Fafa: Não teve show ontem, só quinta.
Fã: Isso aí.
Cris: Tá, entendi, mas no de sexta vocês vieram?
Máfia em peso: Cris, NÃO teve show ontem!
[risada coletiva]

É uma delicia ver aquele mar de pessoas no Morumbi. Quase surreal.
Bee segurando bee para tirar fotos, bees dançando até o chão, bees belissimas e outras nem tanto. Particularmente pensei que a estrutura de palco fosse bem melhor do que aquilo que eu vi- destaque a lona com os "M" gigantes. Porra, uma lona? Alguém leu no Estadão "um M cravejado em diamantes", outros juram que pelo Youtube e por fotos que aquilo não era imaginação, nem truque ótico. Os melhores comentários:

- Isso aí? É coisa de carioca malanadro! by Cris
-
Eu faço melhor em casa. by Japoneusa
-
Acho que com o álcool e pulando, aquele escuro com a luz na lona, a gente acaba vendo outra coisa. by Vó.

Depois do DJ gringo que abriu o show e ainda mandou um Rappa (e aí a gente se olha com aquela cara de o.O'), a diva entra no palco. Não choveu no show, amém.
Confesso que não sou uma fã de Madonna, mas gosto das musicas e admiro aquela mulher. Que pique, meu Deus. É uma das que eu olho e falo "quero chegar aos 50 num pique desse". Pula corda, se contorce no ferro, dança, pula, canta, toca, e mais umas coisas que só Maddy, a cã, faz.
As bees se rasgaram em "You Must Love Me", e Madonna fez uma vozinha Carrie Bradshaw falando que voltariam em breve, e que nos ama, e que São Paulo isso e aquilo, blabla. Quem não te conhece, que te compre, Maddy.
Amei La Isla Bonita (ok, note aí a minha queda por violino) e amei Vogue quando percebi que era Vogue (hahaha). A colônia pseudo-irlandesa foi bem representada com uma gigante bandeira do país e muitos gritos na imagem de seu líder que apareceu no telão. O show é simplesmente um a cópia do outro, e isso é uma coisa que me incomoda, confesso. Mas, é coreografia e tudo mais, e não é uma banda, e a "vocalista" em questão também faz parte dela. Isso sempre foi Madonna, don't complain.
Destaques do pós show:

- Tinha gente saindo do show de cambalhota. Que pique!
- O refri lá dentro era $5. Lá fora, $2. E caiu muito bem com o dog-pós-show.
- Uma fila quilométrica de buses (uns 10 ou mais ônibus para a Pça Ramos), e uma fila igualmente gigante. Era o "Expresso Madonna".
- O taxista from Mars querendo fechar por $160 do Morumbi para Higienópolis. Com um taxista from Earth, pagamos $35.
- Descobrimos uma Starbucks a metros do Estádio. Aahhh, próximo show do U2...

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Retrospectiva 2008- Evitados

Quero que a Retrospectiva das TV's se explodam.
Todas elas, uma por uma.
Porque, se você notar, 2008 trouxe uma pá de desgraças que venderam jornais e deram pontos no Ibope.
Parecia que nenhuma criança sofria abusos ou violência no mundo antes da menina ser atirada pela janela. Parecia que era novidade que um monte de garotas namoram garotos errados e sofrem na mão deles, independente de ser um cárcere físico ou psíquico.
Parecia novidade ter gente ruim no mundo. E a cada dia que a gente acordava, era a mesma noticia, como se o dia estivesse repetindo. Ou como se a gente fosse burro mesmo.
Então eu não aceito ligar a TV para ver tudo aquilo que eu evitei dias e dias. Eu não tenho saudades.

E à partir de agora, faço a minha retrospectiva.
E viva a liberdade de escolha ;D

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

A frase proibida

"There's nothing wrong with a little shooting as long as the right people get shot"

Uma frase do filme de Al Pacino e Robert Deniro estava estampada numa propaganda do metro londrino. O banner foi censurado pelo orgão que regulamenta propagandas em Londres.

Um grande VIVA à mente diabolicamente brilhante que publicou isso. Sou sua fã ;D

domingo, 14 de dezembro de 2008

A queda

"Cai no meio da festa por causa de bebida".

Vamos à interpretação da frase.
"Cair" é um eufemismo. Pensa numa queda estilo desenho animado- escorrega, fica no ar, cai no chão, roda e só depois de um momento se levanta e continua. Continuar é um fato importante. Ah, e rir também. Acho que ninguém mais riu daquilo do que eu mesma.
"Meio da festa" está no sentido literal. No meio da pista, no meio das pessoas, assim mesmo, fenomenal.
"Por causa da bebida" está ambíguo. Eu não caí porque eu bebi, e sim porque o chão estava molhado e escorregadio, acrescentando o fato de que minha sandália ajudou com um "empurrãozinho". Levantei com kiwis e morangos na roupa, praticamente um ornamento.
Eu estava um doce, posso afirmar.
*Yummy*
Legenda da foto: Luciana, amiga flower, recem-casada/ Sil S.F, 21 anos, avulsa, alguns minutos antes da queda/ garoto-que-apareceu-em-10-fotos-no-fundo, bonitinho, né?/De amarelo, Tati McGuyver que pegou todos Leitinhos do Blur da festa.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

E o Oscar vai para...

... alguém que não é o Heath Ledger.
Fiquei contente com a indicação à melhor ator coadjuvante para o Globo de Ouro, mas ainda acredito que, por mais que seja indicado, o Heath não leva o Oscar.
E tenho minha teoria.
Me fala o QUE foi Jack Sparrow? Acho que é o personagem mais fenomenal do Johnny. Além do fato dele encarnar o pirata, acho que a popularidade do personagem é tamanha que, junto a isso, poderia render o Oscar para Johnny. Rendeu uma indicação sim. Mas aí veio Adrien Brody e roubou a estatueta. Não que o Adrien seja ruim, longe disso. Mas Johnny... ainda não entendo porque esse homem não ganhou um Oscar ainda. Enfim.
Agora imagina se Johnny tivesse *bate na madeira* morrido antes do lançamento de Piratas? Obviamente não houve essa campanha viral e todo o suspense com Piratas assim como Batman, mas considerando que Depp tem uma popularidade mais antiga do que Ledger...
Entende que seria um burburinho assim como esta rolando com o Heath?
Por isso não acredito que ele ganhe.
Ainda assim, isso não me tira a expectativa e algumas unhas a menos quando estiverem abrindo o envelope para indicação e premiação.

Fatos sobre mulheres* que os homens** precisam saber

- Bonés são legais, desde que o homem em questão tenha 14 anos de idade ou menos.
- Abadás são usados para entrar em micaretas ou derivados, e não para uso diário.
- Mochilas da Formaturismo são brindes, tanto quando bonés que veradores distribuem em eleições. O Brás, para quem não sabe, vende mochilas até de R$10. Não seja desprezível.


*mulheres com massa encefálica
**homens com massa encefálica

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Gostos estranhos, manias esquisitas

Camila ontem me falou que estava comendo brigadeiro com danone.
Minha cara foi: o.O'
Qual seria a cara dela então quando eu disse o que eu comia?
Aí vai uma lisitinha básica de manias noturnas que eu tinha:

- Maçã picada com açucar e canela. Comi até enjoar.
- Queijo derretido na manteiga com farinha de mandioca.
- Salame com vinagre. Yummy.
- Iogurte com aveia e chocolate em pó.
- Leite condensado com leite.

A técnica do leite com leite condesado vem de um clã mui antigo. Coloque um pouco de leite condensado- sim, aquele que sua mãe não colocou todo no bolo de ontem- numa tigelinha. Cubra com leite. Coma com uma colher de sopa, um pouco de leite condesado, um pouco de leite.
Fala aí, quem mais você conhece que faz isso?
Fenomenal.
Eu tinha uma amiga que tinha mania de fazer trouxinha de alface com arroz dentro.
E outra que amava sorvete com pipoca.
Eu por exemplo acho esdruxulo coisas agridoces. Manga na salada, uva passa no arroz, essas coisas. Doce com doce, salgado com salgado, tem que ser bem gay mesmo senão eu não como.
Mas olha que frase bonita!
Pega no meio de uma conversa eu falando "...tem que ser bem gay mesmo senão não como".
Num como mermo, rapá. Cada gosto estranho...

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

How bizarre

Promoção: para aparecer no novo clipe do Fresno, você tem que gravar um video-grupie gritando como uma vaca.
How bizarre.
Eu queria fazer parte da comissão.
Sem grito nenhum, eu elegeria esse rapaz:

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

A "Justiça"- o caso de David Goldman

Entre muitas matérias, me chamou atenção na edição do mês passado da Piauí mais uma história bizarra da "justiça" brasileira e americana.
Bruna Biachi, estilista, em viagem aos EUA, conheceçou David Goldman, com quem se casou e teve um filho- Sean. Ela costumava sempre viajar para o Rio, onde mora sua familia- certa vez, então, David assinou as férias do filho com a mãe no Brasil como sempre acontecia. Só que dessa vez, Bruna não voltou. Anunciou ao marido por telefone que queria o divórcio e a guarda do filho, e caso ele se recusasse, vetaria seu acesso ao menino.
Em resumo, esse ano completaram-se quatro anos que o pai não vê o filho, devido a inumeras liminares, processos e outros tramites judiciais. Bruna se casou com um influente advogado do Rio de Janeiro e engravidou. Em Agosto, devido a complicações no parto, ela morreu.
David soube da morte através de amigos que viram a noticia na mídia- não foi notificado por ninguém. Como qualquer um faria, ele tentou ver o filho que acabara de ficar orfão da mãe- nada.
João Lins e Silva, o viuvo em questão, começou com mais um desses trâmites e impediu que isso acontecesse. E a história continua...
Aí entram as questões que incomodam:

- Ok, do nada ela quis divórcio?
- Por outro lado, se o motivo fosse tão "contra" o ex-marido, isso seria usado como justificativa para a guarda do garoto e motivo de separação, não? Se não veio à tona, é provavelmente irrelevante.
- A hemorragia interna que Bruna teve foi tão forte, que causou parada cardíaca. Não foi comprovado ainda porque isso ocorreu, uma vez que morte em parto hoje em dia é algo considerado primitivo. A vida consegue ser irônica às vezes.
- O obstetra dela foi o mesmo que a trouxe ao mundo, um dos medicos mais conceituados do Rio, assim como sua clinica. A vida consegue ser irônica e cruel.
- Até onde a "justiça" favorece uma pessoa influênte do seu país? Até onde vai o direito de um pai que luta pelo seu filho? Até onde vai o atrito de dois países que enxergam a "lei" cada qual de uma maneira?

Fato é que falar de "justiça", "advogados" e "leis" me enjoa.
Olha pra minha cara de pessoa que cursaria Direito. Ops, quis dizer: "Direito".
Que seja feita a outra justiça- aquela que não falha. Nós esperamos.

Bring Sean Home
http://bringseanhome.org

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

A menina cega

Ah, sweet Sessão da Tarde. Esse horário eu não estou em casa, mas durante toda essa semana meu horário de almoço tem coincidido com o horário da novela, então assisto na TV do refeitório.
A cada dia, uma surpresa.
As novelas do Manoel Carlos são todas melodramaticas-bossa nova, semelhante entre si. Não tenho culpa de confundi-las.

Então eu vi a personagem da Bruna Marquezini (or whatever her name is) chegando na casa da sua mãe, toda saltitante. Ela pegou a sacola em cima da mesa, observou seu conteudo e tirou um presente de dentro para a amiga da sua mãe. Nessa hora eu pausei o garfo na boca e um balão branco, denso, pousou acima da minha cabeça:

- Porra, essa menina num era cega?

Ops, nNovela errada. Da-lhe Maneco.

O batismo

Há alguns minutos atrás, encontramos três regristros de batismos. Da minha irmã marcava batismo com cinco mêses. Do meu irmão com nove mêses. Então vi o meu, com data de Outubro.
- Nossa, vocês me batizaram com 1 mês? Não tinham pena de mim? Mal tinha saido para o mundo e me arrastaram pra igreja...
- Mas, mas.. você usou vestidinho e tudo. Não tinha só um mês.
Então me atentei ao ano. 1988.
- Ops, foi 1 ano e 1 mês.
- Viu?
- Mas que droga, mãe! Por que demoraram tanto pra me batizar? O que aconteceu comigo durante todo esse um ano e um mês? Hum?
- Humpf ¬¬

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Dance into the fire

Pânico do ônibus Vila Olimpia, aquele que eu peguei no dia das muitax drogax na Estação da Luz. Resolvi pega-lo de outro ponto no centro da cidade, tarde da noite do último sábado, dia 22- dia dos 11 anos sem Michael Hutchence e do segundo show do Duran Duran em terras paulixtanax.
Mas, eis que surge para salvar a pátria, a caríssima Renata D'elia, a garota que eu conheci 6 anos atrás justamente no mesmo local onde estavamos indo: Via Funchal.
Aguardando que ela e o fotografo pegassem suas credenciais de imprensa, vi o maravilhoso Alvaro Pereira Jr retirando seu ingresso na portaria. Ah, adoro esses shows. O público é de um naipe impagável. Os bancários, como diria a Rê. Só tios, ou jovens de bom gosto. E os Balada People, sempre presente com seu baseado, cabelos estilizados, saltos e blusas extravagantes- claro, sempre tem a excessão à regra.
Acho que não tem como expressar o que é um show do Duran Duran para uma pessoa oitentista como eu. Eles tocaram todas músicas que eu queria, sem deixar uma de fora. Simon cantava perfeitamente. John Taylor, mesmo com a muita idade e pouco cabelo, ainda arrancava suspiros. "Save a Prayer" foi linda, quando o Simon deixou o público cantar o refrão.
"Come Undone" sempre foi minha favorita, e a backing vocal era divina.
"Rio" tem aquele tom de despedida, e para aumentar o aperto, Simon entrou com tudo envolvido numa bandeira do Brasil enorme. Grande show.
Para matar o resto da noite e não pagar R$120 de taxi pra casa, fui à Bubu com uma galera do trabalho e da faculdade.
Resenha da Bubu: música boa, principalmente na pista alternativa onde toca mais musica comerical do que eletronica, house, psy (seja lá o que for esses estilos de música). O que tinha de legal na pista de eletronica eram os lasers e luzes e wow. Se você for gay, lá é seu paraiso. Se você for hetero, mas gostar de musica eletronica, idem. Se nenhum dos dois se aplica a você- assim como não se aplica a mim- resta saber se você é uma pessoa "eclética"- se é que é essa a palavra.
Caso seja, boa diversão!
;D

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

O verdadeiro complexo Bradshaw




p.s.: só pra quem entende ;D

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Wild boys



No
No
Notorious!

[só pra entrar no cilma!]

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Banners peculiares

Acho super divertido esses banners e anuncios que o povo coloca em frente a casa, nos postes de ruas, em todo lugar. Desde o "Agradeço a Santo Expedido pela graça alcançada", até aqueles "Faço amarração de amor".

Aí, toda vez que eu volto pela Av. Celso Garcia, me chama atenção um banner amarrado ao poste, onde está escrito:



CRIANÇA DOENTE

Tel: XXXX-XXXX

Interessante né? Mais interessante seria se ele informasse o que é a criança doente. Vamos à algumas opções:

( ) Procura-se criança doente- realmente o que ele vai fazer com a criança eu não sei. Talvez seja uma cobaia. Vai saber, não? Criança doente é o que mais existe no mundo.

( ) Procura-se Totó. Criança doente- essa é a mais famosa. Será que ele esqueceu de citar o cachorro? Acrescente aí um "paga-se bem" ;D

( ) Vende-se criança doente- não. Definitivamente não.

Escolha a sua interpretação e ligue já ;D




sábado, 15 de novembro de 2008

We could be heroes...


... just for one day.


Não era provavel, até acontecer

Reza a lenda que a Dercy iria te enterrrar. Ora, se você está lendo esse blog, significa que isso já não é possivel. Todo mundo via a Sandy como uma criança, virgem e inocente. Pois bem, ela casou. Ninguém acreditou, mas o Pearl Jam veio para o Brasil. O Radiohead será o próximo. Chinese Democracy, do Guns, foi finalmente lançado. Roldolfo do Raimundos virou evangélico.
E então, um presidente negro é eleito nos EUA, fora do seriado 24 Horas.
Poucas coisas parecem prováveis, até se tornarem realidade.
E ai, do que mais você duvida?

Promoção

Promoção da Skin: envie um torpedo com o numero impresso no produto e responda:
"Qual é o refrigerante da familia?"
1. para Skin
2. para outros.

Aí eu lembro de uma promoção da Kolynos. O Faustão fazia a propaganda, informando que era necessario escrever seus dados no verso da embalagem, respondendo a pergunta: "Ha quantos anos a Kolynos não-sei-o-que-lá". Aí o Faustão fazia uma cara de bobo e mostrava com a mão a resposta.

Acho que todo mundo já se perguntou se alguém já perdeu o tempo enviando resposta errada.
Minha resposta é: com certeza. Se alguém perde tempo criando ações promocionais tão cretinas assim, com certeza, do outro lado, tem alguém que participa da brincadeira.

Em 18 anos, nada igual: o show do REM em São Paulo

Show padrões é assim: você chega quando já abriram os portões. Você entra e já localiza seus amigos de primeira, que estão bebendo tranquilamente próximos ao palco. Como disse a Bel, me apaixonei umas 50 vezes ali dentro. Wilson Sideral- o cara-com-quem-eu-ja-tirei-uma-foto - entrou no palco todo simpático, mesmo com o publico morno que só queria REM. Tocou até um Led pra fazer a moral, mas o povo queria mesmo REM.A banda atrasou 20min, mas cada música foi celebrada pela cidade que nunca tinha visto o REM em solo paulista.
Eu e Bel fizemos um momento *panda histérico* (pra quem não sabe, é um emoticon do MSN hahahaha) quando eles tocaram Drive. Que música linda. Não perde para Everybody Hurts, que foi acompanhada pelo Via Funchal inteiro. Electrolite é linda, escrita sobre Los Angeles, mas Mike dedicou a São Paulo quando sobrevoou a cidade 18 anos atrás. Stipe era todo sorriso, e matou o desejo dos fãs que pagaram caro pela área VIP.O publico fez as estruturas tremerem quando a banda saiu do palco e na tela a camera filmou um papel escrito:
"Mais REM?"
"Mais barulho!"
"REM ama São Paulo"
Eles voltaram com a excitante Supernatural, Superserious. Terminou com a maravilhosa Man on the Moon, dedicada a Barak Obama. Stipe declarou que não via a hora de voltar a seu pais e comemorar a vitória.A noite acabou, as luzes de apagaram e nós ouvimos um "see ya soon". I hope so, Mr. Stipe.

Muitax drogax: o show do Bloc Party, mafiosos Maria-Juanas e a Estação da Luz

Drogas everywhere. Queria que existisse um controle para saber a quantidade de drogas que ingerimos passivamente. Todas drogas, eu me refiro.Bloc Party, por exemplo. Aguardar o show do Kaiser ouvindo o som massante da banda e seu vocalista sem presença de palco foi triste. Foi mais ou menos do mesmo jeito quando esperamos toda aquela musica eletronica no ultimo show do Franz, que começou lá pelas 2 da manhã. Verdadeira prova de amor.Agora fantástico são os maconheiros. E aí eu lembro do fantástico dia que vi um show do Teatro Mágico, lá na Av. São João. Nunca inalei tanta maconha na minha vida. Aí no Planeta Terra estavamos lá, no meio dax drogax. Quando acordamos de manhã e saimos para tomar café, tive o nitido pressentimento de que, se passasemos por algum junkie, ele nos acharia irresistíveis.Não pára por aí. Segunda-feira foi o show do REM. Às 19h eu estava na Estação da Luz, e aparentemente o ônibus tinha acabado de sair . Os poucos policiais com seus cavalos se retiraram, e então eu vi um cenário no minimo assustador. Pelo menos para uma não-junkie como eu. Com a excessão da minha pessoa e de outra mulher que esperava o mesmo ônibus que eu, muito simpática por sinal, só tinha pessoas duvidosas naquele cenário...hum... "bonito", fora da Estação. Comércio de drogas. Prostitutas. Ali, na cara. Ai meu ingresso. Ai minha câmera. O ônibus chegou, mais passageiros chegaram, invadiu então um clima familia entre todos ali que aparentemente já pegavam sempre o ônibus ali, naquele horario, certamente por obrigação. Por não terem outro caminho para casa, ou trabalho, ou o que quer que seja. Na rua Funchal, senti aquele clima bom invadir novamente. Cambistas, desgraçados. Camisetas a venda. Pessoas marchando com seus ingressos em mãos. A ultima vez que eu presenciei isso, naquele local, fora ha 6 anos atrás.Welcome back.

O maravilhoso show do Kaiser Cheifs e a cueca vermelha de Rick Wilson

Agua, pelo amor de Deus! O cara da água foi atacado por um bolo de gente quando o show do Bloc Party acabou. Era necessario pra aguentar o que viria pela frente. Mesmo com a água- a R$5 a garrafinha- estava insuportavel a maré de pessoas, já que a gente nem estava na grade. Partimos para o fundo, o suficiente para sentar e sentir o vento da noite enquanto o show não começava. Desistimos da visão privilegiada, que nem era saudável.Então, o show começou. Ricky Wilson tem um fôlego invejável, um pique, uma energia de 220 que te faz ter certeza que o cara não pertence a outro lugar que não seja o palco. Ele joga seu microfone inúmeras vezes para o alto, se joga de um lado para o outro, vai para a galera e sobe nas grades, de onde temos uma visão perfeita para suas perversidades. Rick subiu na grade, e não sei o que era mais notório: as milhares de mãos que se esticavam para toca-lo, ou o segurança que o segurou pela calça. Ok, obviamente era o puxão da calça. E a cueca vermelha do Rick. E o quanto ele não se importava com aquilo. Ele arriscou algumas frases em português- o melhor foi a referencia do tecladista que havia sido operado de um apendicite: "Ele ê um irôi". E quando mais o povo dava risada, mais ele repetia, todo brincalhão.E a prova de que a banda é realmente boa é que os hits mais conhecidos foram tocados no começo e isso não faz diferença. Você pula conhecendo ou não as músicas. Virei uma addicted. E viva Kaiser Chiefs, os reis do Planeta Terra 2008.

Mari Moon no bate-cabeça do Offspring

De qualquer forma, nosso trajeto lá dentro foi: um pouquinho de Dj Mau Mau, um pouquinho de Alice in Ch... quero dizer, Jesus & Mary Chain, depois de umas voltinhas no Galpão, fomos ao main stage para ver Offspring. O evento foi de uma pontualidade absurda, que a gente duvidou. Quando a banda entrou no palco, bateu aquela saudade das musicas antigas do Off, mas foi suprida. Eles tocaram até Gone Away- uma das minhas prediletas- e a galera de esborrachou, em todos os sentidos. Os focos de bate-cabeça eram notados tanto olhando pro lado quanto no telão, quando a camera fazia um giro no público- aí era o único ponto negativo do show. Então quando olhamos para o lado, notamos aquele cabelo cor-de-rosa. Era Mari Moon. Estava com seu camera man gravando matéria para a MTV, e subtamente quando a câmera desligou, vários garotos começaram um bate-cabeça com ela. Cabelo rosa pelo ar. Surreal. Uma música depois, ela sumiu.Logo depois, Alexandre Herchcovitch pediu licença para passar. Kid Vinil saia do Indie Stage para dar uma volta. E nós passamos pela multidão para assitir Kaiser Chiefs mais de perto. Aturamos o cansativo show do Bloc Party desejando estar no show do Breeders. Me perguntei se Kaiser Chiefs valia isso. Pior que valia.

Planeta Terra em Marte e o Camelô Mundo Mix

Onde fica o Planeta Terra? Em Marte?Não posso evitar a piada, depois de ter gastado 1hora de carro- frisando, de carro, e rápido- ali de Higienópolis até a tal Vila dos Galpões. O lugar na verdade era uma fabrica textil, e virou um provavel baixo orçamento para os organizadores do show.O bom é que, mesmo com o look de lugar abandonado e o fato de estar na ponta de lá de São Paulo, o local foi ótimo para o festival. Dava uma sensação de Playcenter, onde você tem várias atrações e lugares livres para caminhar. Além dos três palcos- indie, main stage e eletro- havia ainda praça de alimentação, ambulatório e...Mercado Mundo Mix?Que legal!E lá fomos nós procurar o tal do Mercado Mundo Mix dentro de um dos vários galpões. Passamos por umas mesas bizarras, com quatro fones para as pessoas seguirem comandos de uma voz animadinha e dançarem. Se tinha alguém fazendo isso? Claro! Lá do lado, tinha algumas grades com pulseiras, cintos, boinas, e identificamos que aquilo, possivelmente, era o Mercado Mundo Mix. Ou o Camelô Mundo Mix, pela estrutura de quem estava vendendo. Tá, estou sendo malvada- afinal, o foco do evento nem era esse.No CMM (Camelo Mundo Mix) encontramos o desejo de consumo da Máfia: a Kombi Azul. O segurança ali perto ficou olhando, talvez pensando que num movimento rápidos pegariamos a Kombi pra gente. Realiza a cena. Também realiza que a Máfia foi em 6, num carro para 5, ao Planeta Terra. Contando que o sexto elemento era uma beesha enorme que a gente buscou na Augusta. Realizou? Tudo bem, não é bem isso que você está pensando. Só que um pouco mais divertido- essa é a Máfia.

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Relatos de um Novembro badalado parte II

E nos proximos post:

- Planeta Terra em Marte e o Camelô Mundo Mix
- Marimoon no bate-cabeça do Offspring
- O maravilhoso show do Kaiser Cheifs e a cueca vermelha de Rick Wilson
- Muitax drogax: o show do Bloc Party, mafiosos Maria-Juanas e a Estação da Luz
- Em 18 anos, nada igual: o show do REM em São Paulo

E no capitulo de hoje....
Eu, o zumbi

Sabe quando você anda demais, e fica só o pó?
Sabe aquela sensação de quando você está prestes a ficar com gripe?
Ou talvez quando você dorme excessivamente, e parece que não existe outra coisa na sua vida que você queira além de deitar, dormir...?

É por aí.
Digamos que eu estou escrevendo esse post numa hora indevida, mas é só para distração, senão eu vou dormir. É sério. Eu sai agora há pouco para comer uma Ruffles, conversar com alguém, porque estava impossivel.
Com o tempo passa. E, quando passar, eu volto aqui e faço uma diarréia verbal básica sobre o que foi esse final de semana um tanto quanto... cheio, eu diria.

Saudações ;D

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Relatos de um Novembro badalado- parte I

Fortes emoções em um mês de Novembro como nenhum outro!
De cara, abrimos com uma comemoração alto estilo no O'Malleys- niver da Milla. Eu, que sempre levo a fama de cachaceira - pfff- entre alguns virgens de tequila, fiz mais três virarem a bebida du-mal. Depois dessa boa tequila, uma pizza inesquecivel e a imagem lamentavel de um ser humano defecando em plena Avenida Paulista, terça tivemos a comemoração numero dois de alto estilo igualmente: casa da Milla. Bolo de chocolate com chocolate, falar mal dos outros, falar bem dos outros- mas por que "os outros" não podem ser pessoas legais das quais falamos bem, afinal? No final da tarde, programa Marcia Goldshimit (ou algo do tipo) para fechar com chave de ouro.
No dia seguinte, terminei meu primeiro "livro".

Hoje segue fortes emoções: prova da matéria que eu fiquei com 5,0 de média semestre passado.
Amanhã, Kaiser Chiefs, Breeders e Offspring tocam com a participação especial da Máfia. Domingo é dia de groupiar. Segunda é REM.
Não perca os próximos episodios dessa fantástica jornada ;D

Feliz aniversário!

E então Deus disse: "dia 6 é O Dia, cara!".
Me dei conta hoje que essas três pessoas fazem aniversario no mesmo dia e o quanto eu tenho sorte de conhece-las.

A primeira delas foi uma menina que conheci num evento de Harry Potter.
Ela é uma pessoa que incrivelmente consegue reunir mais caracteristicas do que qualquer pessoa que eu conheço. Ela parece uma pessoa fragil, mas é extremamente forte, não se engane. Só eu vi ela abrindo uma lata de leite condensado com uma faca, assim como se estivesse cortando um papel com tesoura. É uma McGuyver nata. É uma pessoa com uma inteligencia invejavel, muito sensata e sincera e, como eu já disse a ela, as vezes a vejo como um personagem de algum desenho que só eu conheço. Acho que não preciso dar muitas explicações, basta eu dizer que ela é uma das minhas melhores amigas.
20 anos- virou a casa, hein?

Já a segunda eu falo junto com a terceira- são gêmulas mesmo! Em tudo, eu diria. É um tipo de pessoa que eu tenho vontade apresentar para quem for, pelo bom humor, pelo jeito que elas tem de aproveitar a vida e os amigos e dar valor à cada uma dessas coisas.
E por cada momento com essas duas, acho que não há nada que compense a altura. Os momentos veneeeeno, teçadas, xiitas, drunk & coffee, de padrões a situações lamentaveis. Parrrceira maix paulixta que essas não existe...

HaPpY bIrtHyDaY GIRLSSSS!!!

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

As três missões

Plantar um livro, ter uma arvore e escrever um filho.
Sim, eu inverti um pouco a ordem. Acho que plantar uma arvore deveria ser o mais comodo, mas preferi o menos obvio e escrevi um livro.
E, pouco menos de um ano depois, ele chegou ao fim. Ele não tem sinopse, e não sei quantas paginas tem ao total. Só tenho certeza que sentirei falta de toda a imaginação que tive, e cada personagem que saiu na tela do PC, na maioria das vezes de madrugada. E pelas broncas que eu levei por estar acordada esse horario. E pelos trabalhos que eu deixei de lado para escrever. E pela empolgação das minhas amigas que me fizeram ir até o final, tendo olhos que eu jamais teria sobre quem está de fora- e justamente por elas, esse livro terminou hoje.
De certa forma, um livro é como um filho- demora para se desenvolver, nasce, começa a andar com as proprias pernas e depois segue seu rumo, despredendo-se do criador. E também é uma arvore, que tem sementes para gerar novas arvores e frutos.
Talvez um livro seja um filho e uma árvore. Sinto que a vida está sendo menos em vão do que imaginei.

3 Anos



As pessoas curiosamente perguntam sobre como você conheceu certas pessoas. É engraçado eu dizer que as minhas melhores amigas não vieram precisamente do óbvio, como do trabalho, da escola, ou da rua. Ou filha de um conhecido. Ou primas, irmãs, parentes.
Com elas, eu me sinto feliz por pequenos momentos que não fariam sentido nenhum com outras pessoas. Me sinto feliz quando sujamos a cozinha inteira de chocolate. Feliz quando andamos da Sé à Consolação. Feliz quando cutucamos a terra com uma varinha de madeira, acreditando que encontraria a Camara Secreta de Harry Potter. Feliz quando assistimos Marcia Goldschmidt.
Eu posso estar o mais irritada possivel, que eu nunca pediria para dizerem que não estou quando elas ligarem. Tanto porque elas não me ligam. A gente não se fala por telefone. A gente não sai toda semana para baladas. A gente não disse que seria para sempre no segundo dia que nos conhecemos. Nós não prometemos que nos veremos nas férias, porque queremos nos ver em cada momento vago e oportuno.
Sabemos que somos essenciais uma para a outra, e temos essa certeza sem nenhum esforço.
E você sabe quando tem amigos de verdade quando simplesmente não consegue projetar seu futuro e não encontra-los nele. Quando aquela história de querer se desligar do mundo para ver quem te ligaria não faz o menor sentido, porque você sabe que eles ligam, e isso te basta.
Não há receita para uma amizade verdadeira. Não se compra nem se força a ser. Simplesmente é, e assim somos nós. E eu me sinto super sortuda por ter isso.

Feliz 3 anos.
Que se multipliquem sempre, e sempre.

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Aposentadoria


Espero que ele só queira um aumento ;D Não é lindo? *.*

I Still Haven't Found What I'm Looking for...

(x) Trabalho integrado, parte escrita
( ) Trabalho integrado, parte gráfica
( ) Porfolio
( ) Provas

Glory days.

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

I put a spell on you

Abracadabra sempre foi um dos meus filmes prediletos de halloween, pela dose de humor e por não custar nada assitir- traduzindo, um típico "sessão da tarde". Também assistia porque era apaixonada pelo Omri Katz- sim, eu parei pra olhar os créditos para descobrir o nome do ator principal, que era meu sonho de consumo infantil.
Hoje curiosamente achei uma foto desse filme num fotolog alheio, com um comentário:
"Sara Jessica lindaaa!"

O que?? Carrie-fucking-Bradshaw, em Abracadabra? Pois é, eu não sabia. Mesmo toda charmosa, não é que ela fica bem de bruxa?

I put a spell on you
cause you're mine...
sing out loud! and happy halloween ;D

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Bizarrices: só em Publicidade

Hoje é dia de São Judas Tadeu, também aniversário da minha mãe. Acordei com uma cólica torturante e só ouvi ela dizer que iria ao médico logo cedo. Sai de casa antes que ela chegasse e, a noite, como não teria aula na faculdade, fui fazer trabalho com o pessoal. Só conseguir lhe dar os parabéns às 23h. Geralmente os pais que não tem tempo para seus filhos. Sou uma excessão à regra. Ou ao esteriótipo. Enfim.

Aí vem algo ainda mais atipico.
Hoje não teve aula justamente porque é dia de São Judas. Fui à faculdade mesmo assim. Mas não fui para entrar, nem ir à missa celebrada na capela. Fui para ir ao bar. Não ir para o bar para encher a cara, e sim para fazer um trabalho da faculdade.

Só publicitários mesmo...

sábado, 18 de outubro de 2008

Papo complexo

E: Eu quero uma esfiha de frango e um refri de lião.
M: Só tem guaraná, pode ser?
E: Pode sim.
...
M: Frango, né?
E: Não, guaraná.

O.o'

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

1000 Musicas

Admiravel repertorio do Zeca Camargo na escolha das suas 1000 músicas prediletas. Tem coisa ali que eu nunca sonhei em ter ouvido. De qualquer forma, como uma mortal amante de música, igualmente listarei as minhas 100, pra começar.

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Os dois lados

Sabio Andrew Farriss quando disse numa entrevista à MTV uma semana depois da morte do Michael, precisamente isso:
"Não interessa o quanto você acha que conhece uma pessoa: há sempre o que você vê, e o que você não vê. É como um quebra-cabeça impossivel de montar".
Eu nunca esqueço dessa entrevista.
Hoje, aliás, daqui a pouco, vai passar o documentário sobre o 11 de Setembro feito pelo Michael Moore, e me fez lembrar dessa frase. Tanto pessoas como situações, são simplesmente impossiveis de serem julgadas com tamanha precisão. Sempre há o lado que vemos, e o que não vemos.
Puxando esse assunto, me lembra que há alguns dias discutiamos sobre a Courtney- parte do juri a condenava, parte a denfendia. E taí uma historinha dificil. O fato é aquele velho... há sempre trevas e luz, mas o quanto de cada? Nada é 100%. Ou falar que nada é 100% é exatamente "julgar com tamanha precisão"?
Esses assuntos de "os dois lados da moeda" geram discuções de anos para conclusão nenhuma. Ainda assim, como os tal do quebra-cabeça que o Andrew mencionou, nos incomoda saber que não se encaixa, a gente pode até deixar de lado por um momento, mas vira e mexe paramos e tentamos resolver, por horas a fio, em vão.
Papo de doido. Como sempre.
Paro por aqui: mas assistam Fahrenheit 11 de Setembro. E, de quebra, levem Kurt & Courtney junto. Talvez esse papo de doido faça mais sentido depois deles.

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Stop. Think.

- O Complexo
- Beah
- Popmag

Voltarei a vocês. Só me dê um tempo.

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Ibira via Paulista

No ultimo dia da exposição dos transportes públicos de São Paulo no Ibirapuera, tracei uma rota proposital e indispensável: Av. Paulista.
Em poucos minutos que você anda por aquele lugar você sabe que nada que você presencia ali teria outro cenário senão aquele.
A primeira visão, ao descer do ônibus, foi de duas meninas com botas salto plataforma, estampa de onça e meia preta longa. Antes que você pense que elas iriam se apresentar em algum lugar, que era apenas punks malucas ou tentar uns trocados (no bom sentido), lembre que estamos em época de eleição.
Sinceramente não lembro do nome da candidata, nem é a intenção divugar o nome, mas ela também estava lá, alguns minutos depois, quando encontrei as mesmas meninas balançando bandeira da politica punk, de frente ao Center 3.
Mais pra frente, depois da enorme feira de antiguidade do Trianon, que rola todo domingo, ouvi alguns gritos, e vultos amarelhos. Eram os turistas do Niagra... quero dizer, do Trianon. Alguns traziam o Pica-Pau na mão, e a cada barril (carro) que descia a rua, as mãos se erguiam e eles gritava. Clássico.
Na Alameda das Flores tocava uma banda; os restaurantes e bares todos cheios - de gente, e as vezes só de pombos.
Um dog na Blackdog depois- ah, e uma trufa das bancas de jornais depois- descemos para o Ibira, para o destino inicial: a exposição dos transportes.
O ilustre Papa Movel estava lá, tão ilustre que ninguem podia entrar. Bondinhos, carros puxados por cavalos. Até o convencional bus estava lá, que era a ultima opção a ser visitado- obviamente, que era paulistano estava era enjoado de tanto entrar nele. Exceto as crianças, talvez, porque ela vêem graça em tudo. Principamente em articulados e os bancos altos.
Mas os adultos também são fascinados pela a altura. Aquele ônibus de dois andares, estilo britânico, era o mais visitado, com direito a fila e tudo. Entrar numa fila por vontade própria pra entrar num ônibus é no minimo bizarro.
Na volta para casa, o ônibus quebrou no caminho. Por sorte tinha um vazio atrás.
Um dia temático, eu diria.

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Não vou pra cama enquanto não ouvir...



...strawberry fields forever.
Boa noite.

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Microondas e dependências tecnológicas

E na rodada de pizza, resolvi comentar sobre o mais novo membro da família.
- Comprei um microondas hoje.
Os três acompanhantes da mesa me olharam com espanto, tal como o proprio alienigena sentado numa cadeira, em pleno planeta Terra.
- Você não tinha microondas? Como você esquentava sua comida?
- Na panela, fogão...- respondi obviamente.
Eles mais uma vez me olharam, me analisaram, se entreolharam e me olharam de novo.
- Nossa, deixa eu ir na biblioteca procurar o que é "fogão".
- Biblioteca? Você vai em biblioteca?
- Opa.. desculpa: Google!
O "avanço tecnológico" me assusta.

Tomatinho vermelho...

...pela estrada rolou
Veio caminhão grande veio
Tomatinho amassou

Coitado do tomatinho
Pobre do tomatinho
Coitado do tomatinho

Catchup virou! \o/

domingo, 21 de setembro de 2008

Observações

Ato I

MTV passa Cannonball, do Breeders.
Sil: Essa banda também vem pro Brasil, mãe.
*Mãe analisa e olha com cara de disgusting*
Mãe: É, tem os idiotas que dão valor e fica gastando dinheiro com isso.

Ela ainda não sabe que eu vou nesse show. Abafe the case.

______________________________________

Ato II

Ebano, 20-09
Dialogo de Bozo Bauer e Bozo Nicholson.
B B: O que é isso?
B N: Sex on the beach.
B B: Ah, eu quero um pouco de Sex!
B N: Sex é muito bom, nem precisa ser on the beach. Pode ser on the table, on the casa, on the bed... on-de for!

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Presentes parte I



O QUE VOCÊ QUER GANHAR?
-pergunta de familia, que ouvi até esse ano.

Aos 5 anos- Barbies, muitas Barbies! Ursinhos, muitos ursinhos! Bebes, quanto maiores e mais funções tiverem, melhor!
Proibido: roupas, toalha, mochila, coisas que não sejam tematicas muito menos coisas que não sejam de brincar.

Aos 10 anos- Ursinhos, muitos ursinhos! Um Ken com cabelo ou um Max Stell, porque as Barbies estão cansadas de disputar o mesmo cara. Roupas que sejam lindas de morrer apenas. CD da Angélica, Bon Jovi ou do Paralamas do Sucesso. Walkman.
Proibido: uma Barbie igual a de outra pessoa. Evite bebês e roupas em excesso. Nem calçados.

Aos 15 anos- O ursinho que eu vi na loja semana passada, ou o ursinho que eu cobiço há anos (geralmente aqueles gigantes). CD do INXS, ou qualquer coisa do INXS. Roupas legais, computador, diskman, aparelho de som.
Proibido: Barbies, roupas de babadinho ou qualquer peça que remeta a criança.

Aos 21- DVDs de filmes, seriados... CDs? Você não vai saber qual eu quero, melhor não arriscar. DVD do Bowie, Robbie Williams e U2. INXS eu já tenho tudo, já passaram mais de cinco anos, né?
Proibido: Barbie, ursinhos, pelucia em geral- se for orgãos, pior ainda. Perfume é pessoal; qualquer coisa de dormir será usada, assim como toalha e etc, mas não é o que a gente maaaiss quer, concorda? Vale-presente remete a obrigação, porque você não me conhece. Portanto nçao faça isso, ok?

Alex, o profano



FOTO: Alex: meu ex.

Em 2005 tudo começou. Papo de cá, papo de lá, abraços, mãos... ficamos dois dias, ou melhor, duas noites juntos. Isso no começo do ano. Em Agosto ele me escreveu, dizendo que era insuportavel a distância. Juro, nem acreditei. Quando ele viu meu pouco caso, resolveu tocar em minha homenagem no dia do meu aniversário. Exatos dois anos atrás. Foi exaustivo, mas parecia que tudo tinha voltado como era- avassalador. Os meses passaram, outro Setembro chegou, e ele só escreveu mandando noticias.
Setembro chegou mais uma vez, e agora nem um scrap. Nem SMS, uma ligação, nada.
Eu sinto sua falta, Kapranos. Quero mais noites exaustivas ao seu lado.

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Borboletas e outros contos

Borboletas são sempre fontes de inspiração- são lindas, amaveis, fofas, coloridas. Até o momento que simplesmente não são mais.
Eu, assim como a maioria dos seres humanos, venerava a borboleta. Mas então, um dia eu descobri que ela não era simplesmente asas coloridas em toda sua plenitude: elas também tinha um corpo. Gordo e cheios de pernas, aliás. Eu sonhava que elas eram asas, todas confeccionadas manualmente quando estavam cada uma em seu casulo. De quer era as mãos que pintavam as asas? As delas, ué. Mas o corpo, dono dessas mãos, eram somente uma linha. Assim como aquela que fazemos no papel quando as desenhamos, para dar suporte as asas.
Ah, mas além das asas e do corpo, elas também tinham antenas, cada qual com um olho nas pontas. Afinal, como enxergariam? E as borboletas, como inspiração, eram imortais. Batiam asas nos nossos jardins, na nossa cabeça e no céu, até um dia uma chuva forte bater forte e borrar sua pintura. Assim, perderiam suas forças, e as asas derreteriam- e assim, seria o fim das borboletas.
Mas a vida é cruel, mais que essa chuva que matavam as minhas borboletas.
Então, ligando a TV no Discovery, descobri que a borboleta tem um corpo gordo. E que seus olhos são expressivamente grandes, como os de uma mosca. Eu nunca gostei de moscas- logo, como amava borboletas? Por que elas não pousavam em cocôs? Ou só porque a mosca tem asas menos exuberntes merecia desprezo? Filosófico isso, não? Perdão, não era meu intuito.
Fato é que as coisas, quando se mostram reais, nua e crua, assusta.
Imagine só que eu tinha medo de um dragão verde, cheio de patinhas, que foi feito com o propósito de destrair e animar crianças- como eu. Eu tinha menos de 5 anos, e quando meus irmãos não me queriam por perto, era só colocar o (meu próprio) dragão no meio do caminho e eu não passava. Um dia encostei nele e vi que era borracha. Depois vi que, quando eu apertava, ele fazia barulhinho porque tinha um pino no corpo, como um apito. Então a tatica do dragão não funciava mais comigo. Tinha que ser na porrada mesmo.
Outro dia, a TV também destruiu minha imaginação, quando anunciou que Valentino Guzzo estava morto, e que nunca mais eu assistiria Vovó Mafalda. Como? Será que a Vovó Mafalda era um boneco ventríloquo, comandada por esse tal de Valentino? Não. Vovó era um travesti.
Deve ter sido na mesma época que eu toquei o dragão, e descobri o corpo da borboleta.
As vezes ainda quero acreditar em suas asas. Só nas asas.

sábado, 13 de setembro de 2008

Patria amada, Brasil

Não tão tarde para homenagear meu pais, fiz uma coisa que, como uma filha da patria, não poderia deixar de fazer.
O prazo para vacinação contra a rubeola terminou dia 12. Eu me vacinei dia 12.
O prazo para entrega de documentos do banco era dia 12. Eu também entreguei dia 12.

===============================================
E então, bem off-topic, estava eu procurando uma foto para ilustrar meu post, quando decidir pergar um Ze Gotinha bizarro para ser meu garoto propaganda. O espanto foi na hora que eu achei isso:



"Zé Gotinha é o caralho. Meu nome é Zé Carrasco."

ME-DO.

Moony moony

"Alô alô, planeta terra chamando. essa é mais uma edição do diário de bordo de
Lucas Silva & Silva, falando diretamente do Mundo da Lua... onde tudo pode acontecer..."

Mais ou menos eu, hoje.
Entre trabalhos (lots), uma bulldog, louças, roupas e coisas que sempre ficam para os ultimos segundos antes de sair de casa, tem que dar errado alguma coisa. Como de rotina, estava no Orkut- ah, sim, lemrando que, para evitar a fadiga, nem abri meu MSN- no Corel, constantemente tendo ideias ocas (Vertullo me mata, ainda bem que ele não lê esse blog), olhando a cachorra que está de férias aqui em casa, e "preparando" o almoço. De repente, são 10h30. Eu saio de casa, teoricamente, às 10h50. Nesse periodo eu conveti algumas musicas para o meu MP3, terminei o almoço, tomei banho, escolhi uma roupa- aí vem maquiagem, acessórios, mudança das coisas que vão na bolsa para a oooutra bolsa, que combina com o resto. Ah, desligar computador pelo Iniciar é para fracos. O meu é no talo- OFF, acabou. Uma hora ele pede demissão- enquanto isso, não é a minha prioridade.
Então eu descubro que são 10h50 e eu nem comi, nem passei um nada no rosto. Descobri também que, nesse tempo, engolir a comida é um dom, e se maquiar andando é um ótimo item a acrescentar no meu curriculo.
Aí começa o check-up 5 segundos:

1. Deixei as portas abertas? Não.
2. A cachorra está viva? Parece que sim.
3. Mp3, Vale, bilhete unico, celular, chaves, tudo na bolsa? Sim.

Acho que era tudo. Fechei o que ficou pra trás e fui trabalhar. Algumas horas depois de já ter cumprimentado todo mundo e ter atendido uma renca, resolvi levantar e ir no banheiro. Quando olhei para as minhas orelhas, vi que tinha algo... exótico. Cada brinco tinha uma cor: marrom e preto. Ótimo. Quem me conhece sabe que eu, sem brinco, sou meia-eu. Tive que tirar. Enquanto atendia, revezava- usava de um lado, depois tirava, tampava com o cabelo. Meio compulsivo, não? Não se assuste: essa ainda sou eu.
Quando não tão tarde, vendo minha própria blusa, estranhei ela estar mais transparente do que o usual. Rá. Só faltava mais uma, e não a ultima: a blusa estava ao contrário, e o forro estava para trás. Bendita criatura que criou o sutiã. Bem daquelas que sai andando achando que tá todo mundo secando porque está bonita, mas na verdade é porque estava praticamente do avesso, uma lindezura.
Quando cheguei em casa, falei orgulhosa que, mesmo deixando para os cinco minutos finais, tomei a vacina da rubeola.
- Deixei cair o comprovante na sala... esqueci de pegar.
- Você deixou cair, sabe que deixou, e não pegou?- minha mãe perguntou abismada.
- Era só um comprovante. Não vou pagar multa por isso.
Multa cobre com dinheiro, pelo menos. Ouvir minha mãe falar que eu estou praticamente uma Amy Whinehouse, é sem fiança. Eu já tenho consciência da minha condição moony a respeito das minhas coisas, but I won't go to rehab. No, no, no.


terça-feira, 9 de setembro de 2008

La Isla Bonita & the blond ticket

Quando uma pessoa pega gosto pra fila, nada tira isso dela. Sra Sakaki e eu somos provas vivas disso. Quando o show da Madonna foi anunciado, uma amiga nossa ouviu duas bees combinando, atecipadamente, como farias para revezar na fila para os ingressos da Maddy. Ou seja: loucura, loucura, loucura. Ou não.
Pode esperniar, contestar, o que for. Nada supera os ingresos do U2 no Brasil. Eu li, na época, que nas filas tinha mais gente do que o número de ingresoss disponiveis. No caso da Madonna, houve uma euforia sim, mas nos dois dias seguintes ainda tinha ingressos para pista e arquibancada.
Voltando a fila... as meninas chegaram às 7h, e eu fique na cama com cólica, pra variar. Ainda assim, consegui chegar por volta das 9h. O Parque Antártica fica ao lado do meu trabalho, o que não seria um problema já que eu trabalho do 12h às 18h. A bilheteria abriria ao 12h, mas acabou liberando às 10h. Inocentemente, pensei que eu iria para o trabalho já com meu ingresso. Rá.
Fato é que o Brasil não sabe trabalhar com grandes shows. Internet congestinou, pagamentos não foram reconhecidos, e as bilheterias travaram com apenas um caixa para uma fila enorme. Eu sai, fui trabalhar, e quando sai... a fila ainda estava lá. Imagina uma carioca que vem pra São Paulo e volta como se tive ido ali, em Ipanema: era a Cris. A Japa, minha parceira compulsiva de filas, tava com os papelões como cadeira, que antes serviam para evitar o sol no rosto.
O legal de filas são amizades instantâneas e temporárias. Primeiro um garoto de 16 anos que iria no show sozinho, todo aflito porque a mãe tinha que chegar para completar o dinheiro do ingresso. Até queria uma pista vip, mas o setor que custava R$600 (para os que compraram lá, $720 com taxa de *in*conveniência) já estava esgotado antes do meio-dia. A galera de trás fazia gritos de guerra e de apoio, ou de insanidade, depois que o sol já tinha cozinhado o cérebro de todo mundo. "JUS-TI-ÇA! JUS-TI-ÇA"- o grito acompanhou até a hora dos ingressos em mãos, às 22h. Foram 15h de fila. E se não mais divertido, a gente ligando para o nosso Madonna-descontrol-boy Fafa, num cel de Sampa para Pádua, tentando dizer que tinhamos comprado os ingressos. Aí no meio do metro, recebo a mensagem: "Não fala tudo ao mesmo tempo, porra! É o que eu estou pensando?". Claro, né. Fotologs, blogs, MSN e Orkuts estão todos gritantes: "MADONNA, EU VOU!".
Eu tenho que considerar que Madonna é ícone, e que é fato que a diva pop não vem mais para o Brasil (sem querer enterrar, mas já enterrando). Também levamos a séria compulsividade por filas, e o fato que 80% da Máfia estará lá, freaking out na fila e no estádio do Morumbi. Caso contrário, os R$150 valeriam mais na minha conta corrente.
Ah, não posso esquecer...

MADONNA= EU VOU!

domingo, 7 de setembro de 2008

Vivo ou morto?

Em uma rara noite, estava no sofá sentada e meu pai na cadeira ao lado, de frente à TV que passava o Jornal Nacional. Então William Bonner, numa mistura de charme e pesar, comunicou:

- Morreu hoje, aos 94 anos, o cantor e compositor Dorival Caymmi (...).

Virei para o meu pai e confessei uma duvida que não quis calar:
- Mas o Dorival já não estava morto?
Então meu pai me confortou com palavras sábias:
- Também pensei que ele estava morto.
Então minha mãe sai do banho, e vamos eu e meu pai confirmar se o problema estava só com a gente:
- Mãe, Dorival Caymmi: vivo ou morto?
Ela olhou desconfiada pela pergunta:
- Hmm, não sei... morto?
- Hoje- nós respondemos.
É genético. Me sinto uma desgarrada da cultura brasileira, sinceramente.
Mas... por falar em vivo ou morto, essa pergunta é referente ao saudoso programa Garagem, do Alvaro Perreira Jr e André Barsinski, com o iconico Fabio Nipo-luso (uma especie de Sena, do Panico).
O Garagem tinha o robô, que participava do jogo Vivo ou Morto. Os ouvintes ligavam, e eles passavam uma lista de artistas e fazia a pergunta: "vivo ou morto?". Premios e muita alopração, já que eles colocavam nomes absurdos que poucos conheciam. Mas o mais curioso era um dos nomes, praticamente uma pegadinha: Jerry Lee Lewis. Ninguém pensava duas vezes, a resposta era a mesma: morto. Então meu pai explicou que também existe o Jerry Lewis, ator, que também tá lá, com o pé na cova, mas tá vivo- isso ele descobriu há pouco tempos também.
Garagem, vivo ou morto? Morto. Infelizmente.
*Protesto pela perda de programas FANTARDIGOS de rádio*
Opa, acho que isso é outro post.

Eu sei, mas não sei explicar.

Sabe quando é parecido, mas é feio? Não? É mais ou menos assim:

Um romance bonjoviano

Não é generarizado a fama do Bon Jovi entre garotinhas, principalmente hoje em dia, que a banda já não está tão em alta. Mas na época febril de MTV, Bon Jovi era a banda dos sonhos. Estava nas revistas de rock, até de heavy metal, mas agradava o outro lado tal como uma boyband.
E quem de nós, groupies/fãs de Bon Jovi, nunca sonhou com um romance bonjoviano?

Living in Sin
- o romance proibido de uma moça de familia com um cara cabeludo. Amor profundo, devastador, mesmo com a reprovação da familia. A sensação de perigo da menina que recebe a hóstia de manhã e de noite se pega com o namorado na praia ou no banco de trás do carro. E então, a dor da separação pelas familias du mal.

Always-
ok, ninguém sonhou em ser uma bonitinha, com um namorado bonitinho, e descobrir que ele te traia com uma piranha mais feia que você. Muito menos de ter a brilhante idéia de dar o troco com um pintor que faz um retrato seu, nua, e ligar em seguida para o namorado para ele ver que bela arte (nos dois sentidos) que o cara fez. Não, ninguém com essa idéia- mas e vir alguém com uma letra dessa pra você, ahn? Mais um sonho.

I'll be there for you- É a tipica letra de pegar a tradução e mostrar à todas amigas, se derreter, colocar no fichário, colar no guarda-roupa. É uma versão aceitavel do estilo, muito abominado por minha pessoa, "i-cant-take-my-eyes-off-you". Perfeita na rima e nas palavras, no sofrimento do cara que vive e morre por você.

Na pratica, rola uma coisa bem diferente. Mas na viagem do eu lirico, eu queria um amor bonjoviano.


sexta-feira, 5 de setembro de 2008

REM, now!


Yes, they are open.

REM oficialmente virá à São Paulo dias 10 e 11 no Via Funchal.

E dentro do repertório, Man on the Moon.

Aguenta coração. E por falar em coração, aguém está com um coração 100% pra todas emoções que esse final de ano promete!


Giu, Mafia YOU!



Não é imaginação- Ledger x Franco

Esses dias estava vendo o trailer de Milk, onde Sean Penn faz o primeiro candidato politico amercano que assume a homossexualidade. E lá estava James Franco, em uma das cenas, sorrindo. O ultimo filme que vi com ele foi Um Crime Americano. Sempre que eu o vejo sorrindo eu penso: "lembra o Ledger... ou eu tô doida?". Então Google, pai dos burros e afins, me respondeu. Joguei na pesquisa o nome dos dois e encontrei a seguinte matéria:


JAMES FRANCO- THE NEXT HEATH LEDGER?














No final das contas, não estava tão doida assim. O James tem algo que chama atenção, mas ainda não gosto muito dele- talvez porque não tenha feito nada com grande destaque ainda, enquanto a grande maioria dos filmes do Heath foram encantadores. Ah, claro, a comparação tambem se deve porque no novo filme, James beija Sean Penn- "lembrando" o papel homossexual do Heath em Brokerback Mountain. Quem sabe com essa comparação a industria hollywoodiana não queira tranforma-lo no novo astro da nova geração? Se eles quiserem, eles podem. O problema é o tanto que esse rapaz vai ter que suportar com comparações- tudo tem seu preço, não?
Que não acabe de forma errada- eu agradeço.

terça-feira, 2 de setembro de 2008

Musica, sempre

É incrivel como algumas musicas conseguem ser absurdamente idiotas, e outras conseguem ser infinitamente perfeitas. Um dia conversando com a , lembrei que ela foi a primeira pessoa que eu conheci facinada por Bowie, enquanto eu ouvia e achava uma merda. Anos depois, vi a luz, e me viciei no cara. Ela me passou então para Elvis Costello. Sinceramente, só conheço uma música que ele canta, e ainda não peguei nenhum album para escutar. Mas a única que eu conheço é umas das músicas mais lindas pela melodia, pela voz dele, e infinitamente pela letra e rima. She.
Na verdade a música é composta por Herbert Kretzmer (Miss Saigon, Os Miseráveis), e Charles Aznavour (ator/cantor, que inclusive veio esse ano ao Brasil) , lançada na década de 70 e regravada por Costello em 99, fazendo parte da trilha de Um Lugar Chamado Nothing Hill.

Foi para meu perfil do Orkut, claro.

Ela


Ela pode ser o rosto que eu não consigo esquecer
O caminho para o prazer ou para o desgosto
Pode ser meu tesouro ou o preço que eu tenho que pagar
Ela pode ser a música de verão
Pode ser o frio que o outono traz
Pode ser cem coisas diferentes
Em um dia

Ela pode ser a bela ou a fera
Pode ser a fome ou a abundância
Pode transformar cada dia em um paraíso ou em um inferno

Ela pode ser o espelho de todos os meus sonhos
Um sorriso refletido em um rio
Ela pode não ser o que ela parece
Dentro dela mesma

Ela, que sempre parece tão feliz no meio da multidão.
De quem os olhos parecem tão secretos e tão orgulhosos
Ninguém pode vê-los quando eles choram

Ela pode ser o amor, que não espera que dure.
Pode vir a mim das sombras do passado.
Que eu irei me lembrar até o dia de minha morte

Ela pode ser a razão pela qual eu vivo
O porquê e pelo que eu estou vivendo
A pessoa que cuidarei nos tempos e nas horas mais difícieis

Eu irei levar as risadas e as lágrimas dela
E farei delas todas as minhas lembranças
Para onde ela for, eu tenho que estar lá
O sentido da minha vida é ela
Ela... oh, ela

Direto da Alquimia

Quatro empregos que eu já tive:

1 – Estagiaria de Marketing na Pizza Hut.
2 – Caixa, na Riachuelo.
3 – Atendente do Banco Real
4 – Pra não ficar em branco, colunista do House of Máfia.

Quatro filmes que eu assisto sempre que passam:

1 – A Outra Face
2 – Piratas do Caribe
3 – Show de Truman
4 – Don Juan de Marco

Quatro lugares que eu já morei:

1 – São Paulo, Brasil
2 – ...
3 – ...
4 – ... é, só aqui mesmo.

Quatro programas de TV que eu gosto*:

1 – Leitura Dinâmica
2 – Metropolis
3 – MTV LAb Clássicos
4 – 15 Minutos

Quatro pessoas que me mandam e-mail regularmente:

1 – Karen, amiga da Escócia
2 – CLUBE A, maldito.
3 - Revista Abril
4 – As fotos da festa de ontem e venda de Viagra.

Quatro coisas que você faz todo dia sem falta:

1 - Vejo e-mail.
2 – Escuto música.
3 - Leio, no eletrônico ou no papel.
4 – Escrevo. Onde for.

Quatro comidas favoritas:

1 - Brownie.
2 – Batata em todas duas formas.
3 – Salada com limão e sal.
4 – Aquele lanche enorme da Bela Paulista.

Quatro lugares onde eu gostaria de estar:

1 - Sydney, Austrália.
2 - Av. Paulista, São Paulo.
3 - Em algum lugar alto com a visão dos prédios do centro de Sp.
4 – Maranhão, lençois.

Manual do serviço bancário

Visa Electro= não dá choque, mas doi no bolso.
Assutar cheque= direto, eles saem beeeege.
Celulas= sim, as notas que saem do caixa.
Internet Phone Banking= é, virou entidade agora.
Depositar dinheiro pela internet= cláááro. É só inserir na CPU.

Soletrando- inutilidades do atendimento ao cliente

O mais legal de trabalhar em atendimento são as perolas, sem dúvida. No meu trabalho especificamente, o mais divertido, e até instrutivo, é a parte de soletração.
As letras do procedimento a serem soletradas vão de A a F. O mais legal é que é tudo "naturalmente" padronizado. O bloco de soletração, segundo o cliente, é:

GRUPO GEOGRAFICO
A- de Alemanha, um dia atendi um que falou Afeganistão. Melhor nem soletrar, né?
B- de Belgica, ou Brasil, que tá mais pertinho.
D- de Dinamarca

GRUPO INTELECTUAL
B- de bravo
C- de Charlie
F- de foxtrotis

GRUPO DA MASSA
A- de amor
B- (de baixinho? não!) de bola
C- de casa
D- de dado
F- de faca. As vezes acho violento, mas também falo.

Para os atendentes, o correto é:
A de Amanda
B de Bruno
C de Carlos.

Quem fala C de Charlie não fala D de dado, por exemplo. Os proprios cliente criam suas subdivisões. Parece papo de doido, né? Mas escutar isso repetidamente todos os dias te fazer reparar nesse tipo de coisa. Parece aquele teste que todo mundo já repassou pra todo mundo.
Agora pra descontrair um pouco, perolas reais:

"I de Escola"- nem falo que disse esssa...
"Perae... você me disse IN de Internet!" - valeu colocar no mudo e respirar antes de prosseguir.
"B, de BURRO, A de ANIMAL!"- isso eu ouvi aos gritos.
"A de Afeganistão, I de Iraque" -> a própria AL Qaeda.


I love my job. Oh ya, I do.

Pequenas notas cotidianas

- 1 tequila= expontânea.
2 tequilas= bolhas somem. Colar também some. Alguns rostos também somem. Me-do.

- Por que eu surto quando o Robert Plant fala "dude", em Dancing Days?

- E por falar em dude... dude! Dia 16 tá logo aí.

- Ainda tô em duvida se vou no show da Madonna. Fiquei sabendo hoje que Duran Duran vem em Novembro. E só para conhecimento, a fila para os ingressos do Rio começou às 19h, e terminou mais ou menos 14h do dia seguinte. Ingressos esgotados.

- Não existe sensação melhor que tirar um peso da consciência. Ou peso das costas, peso morto, chame como for. Pense nisso: pessoas que atrasam sua vida merecem estar com seus iguais. Ajude-as.

- Tem suspense mais idiota do que Amigo Oculto? Dakota é a minha paixão, mas esse filme é o que há.

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

Amores em familia


























Danke, Milla!

GAAAAAAAH


Para desespero geral da nação, Grey's Anatomy volta dia 25. Meredith sofrendo um pouco? Acho valido.
Para desespero geral da nação, comprei a primeira temporada da série!
God Bless Banco Real, hahahaha!

domingo, 31 de agosto de 2008

É nozes em 3D

E lá estavamos nós, às 15h, entrando na fila pra ver U2. Pessoas de fora de São Paulo garatiram seus ingressos com antecedencia para não perder o maior show que a America Latina já viu. A fila anda, alguém grita: "olha a fila!". Pessoas correm e grante seus lugares. E então, a banda entra- Edge se aproxima, Bono quase nos toca, e nós quase tocamos no baixo do Adam. Uma garrafa girando na mão de alguém espirra água em toda direção.

Não, isso não foi em Fevereiro de 2006. Isso foi exatamente ontem, na sessão U23D no Shopping Eldorado. Nunca que eu esperava ter um ingresso na minha coleção que marcasse "U2"- não quando o ultimo filme da banda foi às telas no ano que eu nasci- ou seja, no way. Mais uma vez surreal acredita que eu estava no meio daquelas 80 mil pessoas- ou pior, pensar que 80 mil pessoas estavam atrás de mim, e eu ali, na grade, na cara do Edge. E que aquela água que o Bono girou na garrafinha foi bem em mim, e que 2 anos se passaram e nada me faz esquecer de cada detalhe, do mais estúpido ao mais precioso.

Espetáculo à parte foi a platéia. Claro que não estava completa*, mas por cada um, o show foi ainda melhor.
Ah, claro, o lado negativo da coisa: pera lá, que U23D Argentina foi esse, hein?
Até
Where the Streets Have No Name que era do Brasil, teve mais imagens da Argentina do que daqui. E então eles aproveitaram nossa vaia aos hermanos pra fingir que compensou a falha. Tsk.


Nóis ti cata lá fora, Bono
Vox!


*Jubs, Nathy, Renuska, Vó, Vivis, we love you!

All you need is... money?

Patrocio, publicidade e o mundo capitalista. Isso não é uma critica, veja bem- vindo de uma quase publicitária, nem poderia. Mas sempre esses rolos me facinam, e aí está o gosto de estudar publicidade.
Uma rádio está fazendo uma promoção para que os ouvintes a escutem durante o horário politico. Quando a rádio sinalizar no meio da programação, a pessoa liga e ganha prêmios. No minimo duvidoso, não?
Na mesma linha, um pouco mais obvio, vai a Globo com a novela "A Favorita". Um dia desses mesmo uma menina da sala disse que a novela era maravilhosa e que a Globo nunca conseguiu tanto destaque desde uma outra novela que eu não lembro. O fato é: a Globo não conquistou, mas comprou. É só reparar nos principais portais- UOL, Yahoo, MSN - G1 não conta-, e você repara que todos tem um destaque da novela. Primeiro quando foi revelado quem era a vilã, e o titulo de impacto foi praticamente padronizado: "Foi ela".
Daí pra frente, é só rolar um leve clímax na novela e, "do nada", já toma espaço entre noticias do cotidiano. Hoje mesmo saiu uma noticia em destaque assim: "Lara expulsa Flora do cemitério".
Uau. Acho que fechar o dia sem ler uma dessa faria de mim uma pessoa incompleta.
Alguns publicitarios se divertem. Outros ainda se enganam.
It's all part of the plan.

Frases do ano

A disputa é acirrada, critica, eu diria... violenta, entre as melhores frases do ano. Mas ele nem acabou, então prepare-se para mais delas. Mitos populares? Noticia quente? Quem sabe?
"Não como panetone, dá cancer de prostata"

"Mas em 2012 não vai ter Natal"


Votação aberta.

domingo, 24 de agosto de 2008

Shows, shows e shows

Agenda recheada no Brasil até o final do ano- já o dinheiro, não tão compatível.
REM ainda é promessa- ainda assim, é a minha prioridade. Depois vem Stone Temple Pilots, que até colocou ingressos a venda e depois retirou. Passa então por The Cult, que pelo visto curte o Brasil mas ainda não divulgou oficiamente a vinda- e dessa vez eu vou.
O ouro da vez é Madonna, que chega em Dezembro pra fechar o ano. Bom... não sou fã, mas gosto bastante. O ingresso será caro pacas, mas será historico. Vai ser uma boa guerra para consegui-lo, mas a companhia vale a pena. O resultado= eu vou então.
Ah, sim- também tem Dave Matthews Band. Sempre vou lembrar de "I Did It", que me viciou na MTV. Daí tem também "The Space Bewteen", e agora o que mais rola na rádio é "American baby". É uma banda para todos, dificil alguém simplesmente odiar DMB. Mas... pelo preço do ingresso, não é prioridade. Não comparando com a lisitinha acima.
Vamos aguardar.

GOLDEN, anyway


Meninos de ouro, medalha de prata.

sábado, 23 de agosto de 2008

O mui nobre capitulo de Harry Potter


Quem pegar meu Engima do Principe vai notar que, se você colocar o livro para abrir, cai automaticamente no capitulo 2, "A Rua da Fiação". É um dos capitulos mais hipnotizantes, na minha opinião, porque fica claro que o Snape não era um traidor, em detalhes tão sutis que me faz ler esse capitulo cada vez que eu tenho esse livro em mãos.
A cena que ele olha para a janela, pensa rápidamente e já vira falando que sabe dos planos do Lorde com o Draco. Ok, só pra quem leu.

Essa cena diz muito também. Wow.
E por falar nisso, o filme só estreia no meio do ano que vem- pura estratégia que funciona muito bem.


sexta-feira, 22 de agosto de 2008

Double shit

Nessas horas eu tenho a leve impressão que eu estou lendo pouco. Se eu tivesse lido antes, trocaria minha folga e não trabalharia amanhã.
Duh!

"O cineasta alemão Wim Wenders, que veio ao Brasil para participar de um seminário com conferências em Porto Alegre e Salvador, está em São Paulo para participar da Sabatina da Folha nesta sexta (22), às 16h, no Masp (Av. Paulista, 1578). Farão parte da mesa o cineasta Walter Salles e os jornalistas Alcino Leite Neto, José Geraldo Couto e Marcos Strecker. Do Brasil, Wenders segue para a Itália, onde participa do Festival de Veneza, que se realiza do dia 27 até 6 de setembro.

Para participar, é necessário se inscrever pelo telefone (11) 3224-3698 ou pelo e-mail eventofolha@folhasp.com.br. A inscrição é gratuita. UOL Cinema acompanhará o evento e, após o término, colocará no ar um resumo da Sabatina.
"

Fonte: UOL.

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Detona, Brasil! \o/




















Para o volei eu troço sim, e não vou piscar por um segundo amanhã Às 9h.
Brasil x Itália.
Andre Heller= (L)

terça-feira, 19 de agosto de 2008

Para poucos

Sai da faculdade ontem pensando que a única coisa excepcional que aconteceria seria eu conseguir entrar no meu ônibus sem muito esforço, já que a aula terminou mais cedo.
Não.
Todos os olhares dos bares da rua da faculdade estava voltados para uma briga do outro lado da rua. Uma cena para poucos.
Dois mudos tentavam se soltar dos braços de outros mudos, que tentavam impedir que os dois se batassem na porrada. E dizem que tudo começou depois de um bate-boca, imagem só. No final dascontas, conseguiram separar os dois, e cada um foi para um lado.
No ponto, dois mudos-"mano" (naquele estilo 50 cent) provavelmente debatiam sobre o ocorrido. Fiquei imaginando se dentro daqueles sinais tinha algum "o baguio foi du caraiii, meirmão". Será que tem linguagem surdo e mudo para manos? Prefiro não saber.
Dois amigos que saiam do bar comentaram: "nunca imaginei viver para ver uma briga de mudos".
Nem eu.

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

Vai Stone?














Com Scott e tudo, Stone Temple Pilots anuncia show único em São Paulo no dia 14 de Outubro, no Credicard Hall. Uma semana antes, provavelmente, vem Cult.
Quero ir nos dois, portanto, torça por mim!

Minhas favoritas:
STONE TEMPLE PILOTS: Trippin on a Hole in a Paper Heart, Big Bang Baby (muito minha época vicio de MTV!), Creep (sim, tão down quanto a do Radiohead)

CULT: Painted on my Heart (era FATO passar esse clipe num dia, e no outro alguem me perguntar se era o Hutchence*?*), Eddie (Ciao Baby)
Web Analytics